Entrevista Star Comics [2001/2002] - Masami Kurumada



Eis uma entrevista que Masami Kurumada concedeu à editora Star Comics e que foi publicada entre 2001/2002 em partes, do número 19 ao 28 da edição italiana do mangá de Saint Seiya.


1) Quando o senhor nasceu? Usa um pseudônimo ou seu nome real para assinar seus trabalhos?
- Masami Kurumada: Nasci em Tóquio, em 6 de dezembro de 1953. Sim, eu uso meu nome real.


2) Como você conseguiu entrar no mundo profissional dos mangás?
- Masami Kurumada: Quando tinha 18 anos, li por acaso um número da revista Shounen Jump em que havia uma chamada de concurso para novos autores. Então eu fiz meu primeiro mangá e com isso participei da competição, mas antes desse fato nunca tivera a ideia de me tornar um mangaká. Ao final daquela história não ganhei nenhum prêmio, mas um editor me apresentou um mangaká já firmado na área e aí comecei a trabalhar como seu assistente. Dessa forma também comecei a fazer meus quadrinhos, que contavam o que acontecia no estúdio onde eu trabalhava.


3) Qual foi o primeiro mangá que leu? De quais mangás gostava quando era pequeno?
- Masami Kurumada: Não lembro bem o primeiro mangá que li, mas quando eu estava no terceiro ano do ensino fundamental adorava Tetsuwan Atom (Astro Boy) e Iga no Kagemaru. Fui muito influenciado pelo mestre Hiroshi Motomiya: afinal, foram precisamente suas obras que me impeliram à profissão de mangaká.


4) Como se intitulava a primeira história que você criou?
- Masami Kurumada: Eu estreei com um mangá intitulado Sukeban Arashi. Era uma história cômica.


5) Alguma vez trabalhou como assistente?
- Masami Kurumada: Entrei no mundo dos quadrinhos sem qualquer conhecimento técnico. Trabalhando como assistente pude aprender as técnicas básicas, mas dado o meu despreparo cometi muitos erros.


6) Como nasceu a história de Saint Seiya?
- Masami Kurumada: A princípio pensei em uma história cujo protagonista fosse um rapaz que lutava com as técnicas do karatê. Em seguida estudei as cenas de luta, nas quais cada vez que um ataque era lançado apareciam relâmpagos e faíscas, e pareceu-me interessante. Depois me disseram que sem uma armadura o corpo do protagonista sofreria uma série de danos, e assim nasceu a ideia das armaduras sagradas. Mas se fosse usada no karatê qualquer armadura, o efeito seria pouco agradável esteticamente, então eu modifiquei minha ideia criando armaduras mais refinadas. Unindo todas essas ideias à mitologia grega foi possível criar uma nova história. Quando inventei palavras como Seitoshi (Saint = guerreiro sagrado) e Sei (Cloth = armadura sagrada) a história de repente começou a desenvolver-se por si só na minha mente. Após ter decidido o protagonista, os outros personagens foram criados automaticamente com a própria história.


7) Quais são seus personagens preferidos?
- Masami Kurumada: Todos os personagens dessa história eu os criei, então sou afeiçoado a todos eles, por isso não posso escolher um entre todos.


8) Antes de Saint Seiya que outra história criou?
- Masami Kurumada: Um mangá chamado Otokozaka.


9) Constrói suas histórias baseando-se em suas experiências pessoais ou nos dados que coleta?
- Masami Kurumada: Os personagens que crio são alter egos de mim mesmo, então eu acho que minhas experiências refletem em seu caráter, embora em poucos aspectos. Mas, em geral, enquanto eu crio uma história, não penso quase nunca em coisas do gênero, só penso em como posso torná-la mais interessante para os leitores, por isso nunca me vai ocorrer de fazer uma história em que conto apenas minhas experiências. Sobre os dados que utilizo, nem sempre acontece de coletá-los com o propósito de criar uma história, mas durante a vida cotidiana me empenho em analisar livros de arte ocidentais ou orientais, especialmente os realizados na China; depois leio romances históricos ou outros livros que me interessam.


10) Deve ter sido muito difícil fazer a cada semana um capítulo de Saint Seiya. Pode nos falar disso?
- Masami Kurumada: Trabalhar para uma revista semanal é muito duro, sobretudo criar um episódio novo semanalmente é um trabalho realmente difícil.


11) Como você trabalha geralmente? Quantos dias você leva para fazer os storyboards e quantos dias para criar os quadros das páginas de um capítulo?
- Masami Kurumada: É um segredo...


12) Antes de mostrar as páginas a seu editor, procura conselhos de alguém?
- Masami Kurumada: Para um mangaká, seu editor é o primeiro leitor, então não peço a ninguém mais, exceto ele, conselhos. Raramente me ocorre de falar das idéias que tenho para uma história em uma entrevista, mas enquanto eu penso em uma nova história, conduzo mudanças diversas, adicionando as ideias mais interessantes que me surgem mais tarde. Por isso, o resultado é frequentemente bem diferente do que eu narrara antes.


13) Você faz alterações nos quadros quando os capítulos publicados na revista são compilados em volumes?
- Masami Kurumada: As únicas mudanças que por acaso faço se resumem só aos textos.


14) De Saint Seiya foram feitos desenhos animados e vários produtos. O que você pensa disso? Participou na produção desse material?
- Masami Kurumada: Uma vez que foi minha primeira história a ser transposta para a animação, fiquei muito satisfeito. A música que foi usada como trilha sonora me ajudou a criar algumas ideias sobre como prosseguir a história em mangá. A programação da série televisiva teve início quando o mangá estava em curso, então eu não tive tempo para trabalhar nisso e deixei a cargo do staff dos animes. Mas, em relação ao primeiro filme, participei escrevendo o argumento da história e criei as CArmaduras dos cinco cavaleiros inimigos.


15) Imaginava que Saint Seiya obteria tanto sucesso? E depois disso, sua vida sofreu alguma alteração?
- Masami Kurumada: Foi realmente uma surpresa inesquecível ver que a minha história teve um sucesso tão grande em todo o mundo. Foi uma experiência importante, eu mesmo participei de um programa televisivo na França, mas minha vida como mangaká não mudou muito.


16) Em qual história está trabalhando agora? E quantos assistentes tem atualmente?
- Masami Kurumada: A última história em que estou a trabalhar é Ring ni Kakero 2. O número de assistentes que utilizo depende do projeto que preciso fazer, então seu número está sempre mudando, de capítulo para capítulo.


17) Navega na Internet, utiliza o e-mail para se comunicar e tem um site pessoal?
- Masami Kurumada: Para falar a verdade, infelizmente eu não uso o computador com frequência, estão especialmente meus filhos a utilizá-lo mais do que eu.


18) De qual quadrinista japonês, ou estrangeiro, você gosta?
- Masami Kurumada: Gosto das obras do mestre Hiroshi Motomiya, mas se possível procuro ler também os trabalhos de outros autores.


19) O que pensa do fato de que sua história tinha um público também em países estrangeiros, como França e Itália?
- Masami Kurumada: Acho que o fato de que minhas histórias tenham sido aceitas onde se falam idiomas diferentes do japonês significa que a mensagem que dou é universal, e esta é definitivamente uma coisa muito agradável para um mangaká.


20) Também lê quadrinhos europeus ou americanos?
- Masami Kurumada: Busco lê-los, mas ainda não os conheço muito bem.


21) Como passa seu tempo livre?
- Masami Kurumada: Eu aprecio correr, ler, estar com minha família, etc.

0 comentários :